[ editar artigo]

Como desenvolver comportamentos de Learning Agility?

Como desenvolver comportamentos de Learning Agility?

Tania Lopes, Diretora de Educação do ISAE, destaca 4 comportamentos  de profissionais que buscam desenvolver Learning Agility.

Você sabe o que é Learning Agility? O termo foi publicado pela primeira vez no ano de 2000. À medida que os estudos foram aprofundados transformou-se em métrica de valor, sendo considerado hoje um dos principais preditores de alto potencial na gestão de talentos.

O conceito de learning Agility fundamenta-se em duas correntes de pesquisas realizadas no Center for Creative Leadership. Uma série de estudos, denominado “As Lições de Experiência” examinou qual aprendizado de liderança é mais importante para o sucesso em organizações. Outra frente de estudos investigou as razões pelas quais os executivos com histórico de sucesso, deixavam de performar em sua jornada profissional.

As pesquisas demonstram que as pessoas diferem significativamente em sua capacidade de aprender com a experiência.

 

Aprendizagem demanda sobretudo desafiar/expandir a zona de conforto e disposição para mudança comportamental.

 

Em contrapartida os comportamentos descarriladores de sucesso estão relacionados, em essência, à dificuldade ou falta de vontade de mudar ou se adaptar e a confiança excessiva a padrões anteriores de repostas, que já não atendem a complexidade dos desafios atuais.

De acordo com Lombardo e Eichinger (2000) Learning Agility representa a disposição e capacidade de aprender com a experiência e aplicar o aprendizado em cenários ou desafios novos ou de maior complexidade.

Frente ao cenário de negócios contemporâneo de alta complexidade e volatilidade existe um crescente reconhecimento de que os profissionais devem desenvolver agilidade de aprendizagem para responder de forma eficaz aos desafios atuais e futuros. Desenvolver um novo conhecimento técnico é diferente de aprender um novo comportamento pessoal ou novas formas de perceber problemas e construir soluções inéditas.

Segundo George Hallenbeck, diretor do Center for Creative Leadership, profissionais com alta agilidade de aprendizagem, apresentam melhor desempenho que os pares, absorvem novas informações rapidamente, tem facilidade de interação e comunicação, adaptam-se bem ao trabalho global, são promovidos frequentemente e têm menos tendência a perder a direção.

A vida tem uma regra simples e generosa, você melhora em tudo aquilo que exercita. Ao aprender como aprender você pode aproveitar ao máximo as lições da experiência e criar hábitos que irão ajudá-lo a avançar com foco em seu propósito pessoal e profissional.

Iniciaremos esta jornada de aprendizagem conhecendo 4 comportamentos específicos e interconectados apontados pelo Center for Creative Leadership como condutas de profissionais que buscam desenvolver Learning Agility:

 

1. Busca

É a disposição para mergulhar em situações novas e desafiadoras, percebidas como oportunidades de aprendizado.

Dicas para exercitar este comportamento:

  • Mapeie experiências desafiadoras que você está vivenciando no momento. Elas são fontes valiosas de aprendizagem: um novo desafio no trabalho; um conflito na equipe; uma liderança intransigente; uma meta ousada; uma inovação necessária.
  • Liste novos aprendizados que gostaria de vivenciar: um curso novo que gostaria de fazer; um comportamento novo que gostaria de aprender; um novo cargo que gostaria de assumir.
  • Busque, proativamente, novas e diferentes experiências para ampliar perspectivas: candidate-se a uma nova vaga na empresa; matricule-se em uma nova formação; busque aprender um novo idioma, um instrumento musical; uma nova abordagem comportamental, por exemplo.

2.  Reflexão (Dar Sentido)

É a capacidade de adquirir conhecimento por meio da experimentação e novas abordagens. Processo ativo de curiosidade e experimentação para obter insight e ampliar perspectiva. É onde ocorre a exploração cognitiva, facilitando aprendizado e correções ao longo do caminho.

A reflexão demanda sair da repetição automática de comportamentos para considerar o valor de suas práticas, reconhecendo quais devem ser mantidas ou aperfeiçoadas e quais devem ser substituídas ou “desaprendidas”.

Dicas para exercitar este comportamento:

  • Procure aprender ativamente a partir da experiência, explore técnicas e formas diferenciadas. Experimente um novo comportamento e reflita sobre seu aprendizado. Exercite novas abordagens e usufrua das lições da experiência.
  • Aprimore seu autoconhecimento: reflita sobre crenças, valores, comportamentos sabotadores, habilidades pessoais e forças de caráter. Análise hábitos que deve “nutrir” ou modificar com foco em seu propósito.
  • Faça perguntas, ouça o ponto de vista de outras pessoas: busque perguntar em lugar de contrapor e assim abrir espaço para entender o contraditório e ampliar sua autopercepção.
  • Lembre-se que aprender com a experiência é um processo altamente ativo e contínuo, marcado pela curiosidade e pela vontade de experimentar. Questionar Por quê? Como? E Se? colaboram para obter o insight e a perspectiva que alimentam o aprendizado.

3. Internalização

Este processo é necessário para solidificar percepções e lições aprendidas a serem aplicadas posteriormente. Se você não processar o aprendizado, poderá perder lições valiosas para as próximas etapas. 

Dicas para exercitar este comportamento:

  • Peça feedback e racionalize sobre as experiências para assimilar as lições resultantes. Considere o feedback com atenção ao seu comportamento para que você possa ver os padrões e mudanças ao longo do tempo.
  •  Busque um mentor para ajudá-lo a pensar sobre as suas mudanças. Construa laços e relacionamentos que aumentam seu acesso às pessoas que podem fornecer novas experiências e oportunidades de aprendizagem.
  • Aprenda de forma ágil com os erros, esforce-se para não cometer o mesmo erro duas vezes. Reflita, sozinho e com outras pessoas. Fale sobre o erro com o propósito de aprendizagem. Faça análises pós-ação para a ampliar percepção: O que aconteceu? Por que aconteceu dessa forma? Utilize a técnicas dos 3 Cs: O que devo Cessar, o que devo Começar a fazer e o que devo Continuar fazendo. Que mudanças de conhecimento, habilidade, atitudes, valores resultaram da experiência?

4. Aplicação

Uma lição não é verdadeiramente aprendida até que seja aplicada. Este quarto comportamento reflete a habilidade de aplicar em situações novas e desafiadoras as lições aprendidas anteriormente.

Dicas para exercitar este comportamento:

  • Construa um banco de experiências quantitativas, qualitativas e diversificadas: Você consegue falar e descrever facilmente quais são os seus aprendizados mais significativos e como utilizá-los para impulsionar ainda mais seu potencial?
  • Aplique intencionalmente seu aprendizado em situações inéditas, exercitando a adaptabilidade e flexibilidade. Faça conexões e experimente a inovação. Aprimore seu processo de aprendizagem.
  • Compartilhe e multiplique aprendizado. Compartilhe na sua área, nas redes sociais, em canais de interesse, conhecimentos em que você é referência. Nutra-se também destes canais de compartilhamento para aprimorar seu aprendizado.
  • Compartilhe essas dicas para melhorar sua agilidade de aprendizado com sua equipe e outras pessoas do seu convívio, impactando positivamente a jornada de outras pessoas.

Pesquisas do Center for Creative Leadership evidenciaram que as estrelas do aprendizado ágil se envolvem nesses 4 comportamentos em um nível expressivamente alto de habilidade e comprometimento e obtêm significativos resultados em suas carreiras. 

 

Você tem uma experiência sobre esse assunto e quer compartilhar com outros líderes? Clique aqui e escreva seu artigo!

Ou se inspire com esses outros artigos incríveis sobre Liderança:

Bilionários são uma anomalia? Você responde, por João Paulo Pacifico, CEO do Grupo Gaia.

Desafio do equilíbrio: nem bonzinho, nem tirano, por Fernanda Santoro, fundadora da Trahma.

 

Líder Academy
Tania Lopes
Tania Lopes Seguir

Mestre em Governança e Sustentabilidade pelo ISAE. Especialista em Gestão de Pessoas pela FGV. Psicóloga de Formação. Diretora de Educação do ISAE. Diretora Executiva do IMT. Profissional com mais de 20 anos de experiência em Gestão de Pessoas.

Ler conteúdo completo
Indicados para você