Líder Academy
Líder Academy
Você procura por
  • em Publicações
  • em Grupos
  • em Usuários
VOLTAR

Karim's Time: uma lição de liderança

Karim's Time: uma lição de liderança
Vinicius Weber Raeder
out. 24 - 5 min de leitura
010

No dia 17 de outubro aconteceu a 66º Edição da Bola de Ouro, realizada pela Revista France Football, e que premia os melhores jogadores de futebol na Europa da temporada. A edição de 2022 contempla a temporada 2021/2022 e é considerada uma das premiações de maior prestígio no meio futebolístico e premia o melhor jogador jovem (cujo vencedor foi Gavi, jogador do Barcelona), melhor jogadora (vencida por Alexia Putellas, também jogadora do Barcelona), melhor goleiro (vencido por Cortois do Real Madrid) e maior artilheiro (vencido por Robert Lewandowski, hoje atuando no Barcelona, mas ganho pela temporada no Bayern de Munique), mas o troféu mais esperado da noite é o de "Melhor Jogador", que foi ganho por Karim Benzema. O jogador francês, de 34 anos, ganha pela primeira vez, cujo recorde de troféus é de Lionel Messi, Cristiano Ronaldo, Johan Cruijff, Marco Van Basten e Michel Platini com 3 prêmios cada.

Benzema fez o seu primeiro jogo profissional no dia 15 de janeiro de 2005, quando jogava pela equipe Olympique Lyonnais, conhecida como Lyon, e sendo transferido para o Real Madrid no ano de 2009, onde permanece atualmente e onde ganhou 5 UEFA Champions League, 4 Mundiais de Clube, 4 SuperCopa da UEFA, 4 Campeonatos Espanhóis, 4 SuperCopa da Espanha e 2 Copas da Espanha além de ter ganhado a Nations League pela seleção francesa. Em 2022, após a equipe do Real Madrid ganhar a UEFA Champions League em cima da equipe do Liverpool, Benzema ganha o prêmio de "Melhor Jogador de Clubes" da FIFA; Melhor Jogador do Mundo pelo Jornal Marca e, como dito, a Bola de Ouro.

Todos os prêmios, sejam individuais ou coletivos, nos fazem dizer que estamos diante de um jogador que foi vitorioso. Mas que lições podemos tirar disso para a Organização?

Podemos destacar 3 lições que as Organizações e, principalmente, os colaboradores podem tirar desta história, sendo elas:

1) Perseverança: Por muitos anos Benzema não era considerado uma "super estrela" da equipe do Real Madrid, que teve vários outros jogadores neste patamar, e só conquistando o título de Melhor Jogador do mundo 13 anos depois de sua estreia pelo Clube, sendo reserva em algumas temporada e, cogitando até uma possível saída. Pensar que um colaborador leve tanto tempo para chegar ao topo parece não fazer sentido, porém se a empresa der o suporte ao colaborador e, trabalhando a sua motivação, ele continua na organização, além de capacitar o colaborador para que ele consiga se desenvolver, mesmo que leve um período de tempo.

2) Idade: Um jogador de futebol com 34 anos, atualmente, é considerado "velho", por não demostrar mais a mesma capacidade física de um jovem jogador de 20 anos e já começa a entrar em uma "curva descendente" de sua carreia. Muitos jogadores já começam a entrar no fim nesta idade indo para clubes de menor expressão ou encerram de fato a sua carreira e grandes clubes evitam contratar ou manter em seu time  jogadores desta idade. O fato de Benzema ter sido melhor jogador aos 34 anos, desbancando jogadores mais novos, mostra que não há idade para um colaborador demostrar alta performance e manter-se em alto nível de competitividade em relação aos seus concorrentes, mesmo tendo passado por momentos de instabilidade, seja por má fase ou lesões.

3) Treinador: Mesmo os grandes jogadores do mundo, em todas as épocas, não conseguiriam seus prêmios senão fosse pela figura de seus treinadores. No ano de 2022 o treinador do Real Madrid é o italiano Carlo Ancelotti, vencedor de 4 UEFA Champions League e que é considerado um dos maiores treinadores de futebol da história do Futebol. Sem a figura de um líder que faça com que o time jogue, e consequentemente ganhe, os talentos individuais não se sobressaem. As organizações precisam de lideranças que, além de terem resultados, proporcionem à equipe o seu desenvolvimento como time e que lapidem os talentos individuais, para que entreguem, também, resultados individuais.

Embora tenha visto vários de seus companheiros de time ganharem troféus individuais, Benzema nos ensina que o esforço, dedicação, um time "jogando junto", um treinador que auxilia e uma organização que proporciona os recursos é possível que possamos chegar ao topo e ter o reconhecimento do mundo de suas habilidades, mesmo que seja apenas no nicho esportivo, porém, pode-se dizer no final que é possível sim e agora vem o principal desafio para o colaborador/jogador: manter-se no topo.


Denunciar publicação
    010

    Indicados para você